Dicas úteis

A história dos coquetéis.

História geral da invenção de shakes e coquetéis.

E no bar mais barato, e em um restaurante que se preze, certamente lhe será oferecida uma lista de bebidas de marca, na qual certamente encontrará o nome "coquetel". Os belos nomes listados no cardápio do restaurante não deixam de surpreender o cliente, mas é preciso lembrar uma verdade simples - nem tudo que é servido em um copo ou copo pode pelo menos aproximadamente ser chamado de coquetel. Mesmo na China Antiga, cerca de três mil anos atrás, eram usadas bebidas com vários componentes mistos, enquanto na maioria das vezes eram misturas refrigeradas de sucos de frutas silvestres (o que é notável, às vezes já estavam bastante fermentadas). Um pouco mais tarde, os europeus aprenderam também a misturar sucos, vinhos e o que hoje se chama de "compota". No entanto, os primeiros coquetéis reais surgiram junto com o surgimento de uma nova cultura de beber e um certo estágio de desenvolvimento social e econômico da sociedade. Tudo isso contribuiu para o surgimento de receitas de coquetéis em várias partes da civilização ocidental. Hoje, é possível discutir qual dos contos linguísticos ou das belas lendas está mais perto da verdade apenas com um copo de um coquetel. No entanto, em todas essas histórias que chegaram até nossos dias, há um lugar para a sabedoria do mundo, para o romance e para enfeites históricos.

A primeira e uma das lendas mais românticas remonta ao século XVIII. Por volta de 1770, alguns dos ladrões locais roubaram uma despensa nos arredores de Nova York, que pertencia a um bar do exército. Não se pode dizer que o estrago foi muito grande, mas os ladrões conseguiram espreitar o galinheiro deste restaurante. O dono dessa taberna, patriota inveterado de sua terra natal, militar aposentado, além de seu bar, gostava muito de briga de galos. Não é difícil imaginar sua decepção e raiva quando, além de roubar em um bar, percebeu a ausência de seu único pênis. Emocional, dirigiu-se aos seus clientes com a seguinte proposta: “Tudo - para o rabo do meu pau!”. Esse "tudo", como deveria ser nos contos de fadas, incluiu a mão de uma filha querida e metade da taberna. O galo foi encontrado com uma rapidez surpreendente. O ladrão, tendo ouvido falar de promessas lindas, ou simplesmente se sentindo responsável pelo destino da beldade, correu para contatar um jovem oficial subalterno de um destacamento do exército estacionado em Nova York (segundo outra versão, era a polícia militar). Além disso, a lenda diz que foi esse oficial subalterno que com paixão, sinceridade e, o mais importante, amou mutuamente a filha de nosso estalajadeiro. Esse sentimento de leveza foi prejudicado apenas pelos pensamentos mercantis do proprietário em detrimento de um casamento mais lucrativo de sua filha. Tendo comprado o galo, este jovem orgulhosamente dirigiu-se à taverna. Na presença de todos os clientes que se reuniram no bar nesta hora, o oficial anunciou que pretende se casar com uma jovem beldade. A filha do estalajadeiro ficou tão preocupada que, misturando os copos, misturou uma mistura completamente incompreensível de diferentes bebidas. O dono da taberna, exultante com a volta do seu galo campeão, e já tendo se conformado com o futuro casamento, embora não tão lucrativo como esperava, anunciou um copo grátis a todos os presentes e um brinde "Ao rabo do galo ! " A "bagunça" das bebidas, que a garota despejava nos copos, não tinha um gosto tão ruim. A bebida resultante foi imediatamente apelidada de "rabo de galo", e na transcrição em inglês soa aproximadamente como "coquetel".

Como você pode imaginar, há mais de uma história. Outra lenda diz que os enólogos supostamente franceses, ainda antes do século XV, na província de Charente, aprenderam a trapacear.Isso consistia no fato de que eles misturavam vinhos de uvas baratos e caros de tal forma que a deterioração do sabor era mínima e o volume e a vida útil da bebida espumante aumentavam significativamente. Esses vinhos na venda oficial eram mais baratos e tinham uma marca especial coque-telque, com a já dolorosamente familiar transcrição [koki-e-telk].

Durante a colonização da América, essas bebidas penetraram no continente. Sua importação está associada a um general chamado Lafayette. Dizem que ele economizou um pouco em 1777, quando comprou para soldados e oficiais um lote significativo de "minas nacionais" nas colônias do Novo Mundo. Por sua vez, ali eram ainda mais diluídos pelos bartenders e donos de tavernas locais, que transformavam essas bebidas em lodo comum e provocavam esse nome comum.

Tudo no mesmo tópico de diluição, há outra versão, que afirma que os amantes da briga de galos na Inglaterra e no Novo Mundo inventaram uma nova maneira de "provocar" pênis antes do início da luta. Os infelizes pássaros foram alimentados com uma mistura incomum de grãos, que foi embebida em um coquetel de um belo vinho azedo e uísque (por favor, não repita ou experimente este veneno!). Depois de tal bebida, os galos pareciam gatos depois da valeriana e correram para a batalha com tudo que se movia. As pessoas que consideravam a briga de galos sem regras o principal e mais democrático entretenimento e sorteio, compensavam a falta de apostas com bebidas alcoólicas baratas e quase da mesma qualidade de pesadelo. Em seguida, os coquetéis eram chamados de pessoas que se embriagavam a ponto de desgraçar nas brigas de galos, e depois essa palavra grudou na própria bebida.

No inglês aristocrático, mais ou menos na mesma época, essa palavra entrou para designar cavalos de raça não pura ("cock-teid") nas corridas: "suas caudas espetadas como um galo! No sangue eles se misturam, como em uma caneca em um bar barato! ”, Como os historiadores das corridas de cavalos reais na Grã-Bretanha observaram em 1796.

Se contarmos com as informações de especialistas na área da história das receitas culinárias, podemos concluir que a maioria dos nomes vieram das normas anteriormente aceitas de volume, peso

Se você perguntar a especialistas em história das receitas culinárias, eles certamente irão apontar para você que em vários casos o nome de pratos e bebidas veio do nome de normas previamente aceitas de peso, volume, nomes de copos e pratos reais . O caso do coquetel não é exceção. Historiadores confirmam que em 1875 um certo francês de Nova Orleans, Peixot (de acordo com várias versões, um farmacêutico, um militar, um barman), tratava os visitantes com copos - coquetier em seu bar. Em francês antigo, essa palavra significa um copo especial para ovos ou copo de poção. A simplificação da pronúncia do abracadabra francês na forma inglesa levou ao surgimento da transcrição moderna da palavra.

A língua espanhola também não pode ser ignorada. "Cola di gallo" - já conhecida por nós "cauda de galo", é o nome da raiz de uma planta que cresce nas margens do Golfo do México e se assemelha à cauda de um galo bastante grande. Os marinheiros americanos, que naquela época não negligenciavam as viagens marítimas e de bar, podem ter se perguntado que ferramenta incrível os locais usavam para preparar e preparar bebidas. Essa coisa estranha poderia muito bem ser cola di gallo, porque a madeira não distorce o sabor da bebida em nada. Como os marinheiros falavam inglês, eles receberam uma tradução em inglês que soa como "coquetel".

Há outra história, talvez a mais incrível, associada ao estado da Virgínia e a Betsy Flenaghan. O escritor James Cooper mencionou essa história em seu romance de aventura. E é isso que diz essa lenda. Dizem que Betsy serviu ao soldado um gole de todas as cores do arco-íris, ou melhor, todas as cores que estão na cauda do galo. Supõe-se que a composição dessa bebida maravilhosa fosse a seguinte: whisky de centeio + rum + sucos de frutas. Quando o soldado provou a bebida, imediatamente exclamou: “Que coquetel! Que rabo de galo! "O resto dos soldados pegou essa frase. Desde então, os habitantes da cidade de Flan consideram sua cidade a capital mundial do negócio de coquetéis.

Existem muitas lendas e histórias. Mas a primeira menção real da palavra "coquetel" no sentido em que nos é familiar, ocorreu em The Balance and Columbian Repository em 1806. Lá era sobre licores, que contêm qualquer bebida alcoólica com adição de água, açúcar, tintura de ervas amargas. As bebidas alcoólicas tônicas não alcoólicas, doces e frutadas já são conquistas de nosso tempo. Novos itens e versões antigas modernizadas chegaram aos cardápios de bares e restaurantes após o fim da Primeira Guerra Mundial. Há uma opinião de que a distribuição de coquetéis se deve à Lei Seca na América (1919-1933), quando o álcool forte precisava de um disfarce inofensivo.

Os especialistas dizem que os coquetéis sem álcool na URSS apareceram inicialmente na era Stalin (aqui o apego pessoal do líder às bebidas alcoólicas à base de vitaminas teve seu papel). Mas, para o cidadão comum, essa tendência chegou por volta dos anos 70.

Na Rússia e na Ucrânia, aceita-se a divisão dos coquetéis em longos - "long drink" (baixo teor de álcool, com 3 ou mais componentes e o teor obrigatório de limonada, cola ou outras bebidas não alcoólicas) e "short drink" - short (alcoólico coquetéis fortes) não se enraizou.

Assim, uma breve excursão pela história dos coquetéis chegou ao fim. E a escolha “O quê? Com o que? E em que proporções? " a mistura é sempre sua. Os pratos para servir coquetéis são muito importantes. Faça uma surpresa para o seu ente querido, prepare um coquetel em casa. E uma bela apresentação ajudará a garantir a F.ua.